Tuesday, 4 September 2007

Para nao dizer nada, mais valia nao escrever...

Nem sei por onde começar. A verdade é que nem sei o que vou escrever. Sei apenas que já estava deitada e, de repente, me levantei, liguei o computador e entrei na página do meu blog. Acho que nem tenho nada para escrever, mas, uma vez que dei a este blog precisamente o nome de palavras vãs, vou prendar-vos com algumas.

Há já imenso tempo que não escrevo. Os dias são demasiado curtos, poderia dizer. Mas a verdade é que os dias são agora maiores! O tempo não me chega para tanta coisa. Outra possível desculpa. Mas são tantas as vezes em que não faço nada, em que não me apetece mesmo fazer nada.

Porque será difícil escrever quando queremos? Porque será que quando nos apetece escrever parece que não conhecemos as palavras, que não sabemos como se formam? E porque é que as palavras me chegam às vezes quando não posso escrever, e me torturam de tal forma que tenho mesmo de largar o que estou a fazer para as rabiscar em qualquer pedaço de papel, mais ou menos apropriado?

Já me aconteceu, e mais de uma vez. Começam a surgis palavras na minha cabeça. Palavras que eu tenho de escrever, palavras que eu tenho de anotar, porque sei que se não o fizer, elas desaparecerão para sempre no infinito labirinto da minha imaginação. Acontece por vezes rabiscá-las no que pedaço de papel que me vier à mão, e acontece por outras esmagá-las e não lhes dar opção de vida. Mais tarde, tendo tempo para as deixar fluir a seu tempo, traem-me e os meus dedos mantêm-se inertes.

Tenho afogado o chamamento das palavras. Quererei afogar as palavras que teimam em ganhar vida? Ou quererei afogar os sentimento que teimam em dar vida às palavras que penso querer afogar.

Demasiado confuso. Não me consigo perceber a mim própria. É um enredo esta minha cabeça. Sempre achei piada o meu cabelo não fazer miutos nós. Acabei de perceber que seria impossível para o meu cabelo competir com o meu cérebro, e portanto ele nem tenta, limita-se a aceitar a insignificância da sua inabilidade.

A minha cabeça parece um novelo neste instante. Penso que é reflexo do fim-de-semana. Três dias, a acampar, na praia. Poderia ter sido espectacular. Era para ter sido excelente. Levei um corte, deixaram-me pendurada. A companhia faz toda a diferença!!! Enfim... A vontade de escrever esvaiu-se, vou passar pelo forum e depois dormir, já é tarde, e amanhã também é dia. E que dia... Primeiro dia da pré-época, até vai doer!!!

No comments: